PDT gaúcho deve anunciar hoje saída do governo Sartori



O PDT gaúcho pretende oficializar nesta segunda-feira, às 19h, sua saída da base aliada do governo José Ivo Sartori (PMDB). O diretório estadual resolverá no voto a questão, durante encontro na sede do partido, na Capital. Apesar disso, a saída está definida entre as lideranças, uma vez que, desde o final de 2016, a sigla ensaia o desembarque da administração.

A decisão foi reafirmada na semana passada, durante jantar de parte da bancada com Sartori, e ocorre em meio ao encaminhamento da votação do restante dos projetos do pacote do Executivo na Assembleia, onde a legenda tem sete cadeiras.

O tema não é pacífico entre os líderes pedetistas. Na bancada, o líder, Gilmar Sossella, diz que preferia que o desembarque ocorresse em julho, após as reuniões de todas as 37 coordenadorias regionais. Mas admite que a tese da permanência se desgastou. Sossella, e o agora suplente Vinícius Ribeiro, que deixou o Legislativo na semana passada, após o retorno do deputado Gerson Burmann, foram os mais alinhados com o Executivo na votação de parte do pacote, em dezembro, garantindo, inclusive, dois votos para a polêmica extinção das fundações do Estado. “Vai passar (a saída), mas não vamos sair atirando. Muitas coisas vamos construir juntos”, projeta Sossella.

Apesar de não terem ocorrido reuniões em todas as coordenadorias, o líder do partido na Casa, deputado Ciro Simoni, diz que “na base”, o que se ouve são manifestações pela ruptura. O ex-líder da bancada, deputado Eduardo Loureiro, completa que a saída é “natural e inevitável”. Ele ressalva que, na prática, pouco deve mudar no posicionamento da bancada e que o partido deverá votar fechado contra o projeto que dispensa plebiscito para a privatização de estatais do setor energético.
Fonte/Foto: Correio do Povo